Meditação

O Segredo de um Viver Santo

Publicado em: outubro de 2017 | Categorias: Meditação

 

“Rogo-vos, pois, irmãos, pelas misericórdias de Deus, que apresenteis o vosso corpo por sacrifício vivo, santo e agradável a Deus, que é o vosso culto racional. E não vos conformeis com este século, mas transformai-vos pela renovação da vossa mente…” Rm 12. 1, 2b.

O apóstolo Paulo conclama o povo de Deus a uma vida de santidade e consagração ao Senhor. O mundo quer ver em nós, cristãos, um viver bíblico e não um cristianismo apenas nominal. Precisamos não apenas conhecer a Bíblia, mas fazer dela uma realidade em nosso viver diário. Alguém afirmou que a Bíblia precisa de menos defesa e mais prática. O grande estadista americano Abraham Lincoln, disse: “Eu sou homem de um só livro, e este é a Bíblia”.

Relacionamento com Deus e com o próximo é o grande segredo da vida do cristão. Se nos relacionarmos corretamente com Deus através de uma vida de intimidade com Sua Palavra, oração, jejum, busca real de Sua presença, também nos relacionaremos de modo correto com as pessoas que estão ao nosso redor. Amaremos mais, perdoaremos mais, compreenderemos mais e haverá muito mais paz e alegria em nosso viver cotidiano. O apóstolo João escreveu em sua epístola capítulo 4:20: “Se alguém disser: Amo a Deus, e odiar a seu irmão, é mentiroso; pois aquele que não ama a seu irmão, a quem vê, não pode amar a Deus, a quem não vê”. Esse relacionamento com Deus é que gera no crente uma vida de consagração ao Senhor.

A consagração envolve a entrega do nosso corpo a Deus. Quando Paulo fala que devemos “apresentar” o nosso corpo a Deus, ele fala de uma entrega definitiva ao Senhor, de uma vez por todas, como um casal se entrega um ao outro no casamento. O apóstolo apresenta dois motivos para essa consagração: Atitude correta diante de tudo o que Deus fez por nós, ou seja, ter uma vida centralizada em Cristo. E Paulo nos deixou esse modelo de consagração dizendo: “Estou crucificado com Cristo; logo, já não sou eu quem vive, mas Cristo vive em mim” Gl 2: 19,20. Essa entrega também envolve o nosso culto racional, ou nossa adoração espiritual a medida em que vivemos adoração a Deus como estilo de vida. É a entrega da nossa essência ao Senhor. João Calvino declarou que o nosso corpo não é só nossa pele e ossos, mas a totalidade do que somos compostos. Uma alma pura e limpa não sobrevive num corpo pecaminoso e sujo pelo pecado.

Além da entrega do nosso corpo a Deus, também é necessário que entreguemos nossa mente a Ele. Essa é a razão do apóstolo ter dito: “…mas transformai-vos pela renovação da vossa mente”. Não podemos permitir que o mundo controle a nossa mente, e para que isso não aconteça, devemos alimentá-la com a Palavra de Deus. O salmista nos encoraja dizendo: “Alimenta-te da verdade” (Sl 37: 3b) Jesus é a verdade que nos alimenta e fortalece nossa mente e todo nosso ser, e Ele mesmo afirmou: “Eu sou o pão vivo que desceu do céu; se alguém dele comer, viverá eternamente…” (Jo 6:51a). Jesus usava analogias para ensinar profundas verdades espirituais. Ele é o Pão da Vida, que veio não apenas para sustentar a vida, que era o interesse primordial da multidão que O ouvia, mas para dar Vida. O problema do ser humano está arraigado ao pecado, e a transformação que todos nós necessitamos, é a mudança interior do coração e a renovação da mente. Paulo nos fala de uma transformação, como um processo diário, que vai acontecendo aos poucos, à medida que a Palavra vai alcançando e enchendo a mente e o coração do homem e da mulher.

É uma entrega total do nosso ser a Deus: nosso corpo, nossa mente e também os nossos desejos. Muitas pessoas acham que podem controlar seus desejos pela força da vontade. Impossível! Sabemos que a natureza pecaminosa reside em nós, é o pecado que herdamos desde o princípio. Paulo dizia que por si mesmo não era capaz de fazer o que é correto, quando afirma: “Porque eu sei que em mim, isto é, na minha carne, não habita bem nenhum, pois o querer o bem está em mim; não, porém, o efetuá-lo (Rm 7:18). É só por meio do alimento da Palavra e da vida disciplinada de oração que seremos capazes de submeter nossos desejos a Deus, pois o desejo carnal pode ser muito forte na vida de um cristão que não ora e não lê a Bíblia e não se deixa ser cheio do Espírito Santo.

Que o nosso maior desejo seja viver uma vida cristã dirigida e controlada pelo Espírito Santo, e desta forma ofereceremos o verdadeiro culto racional ao Senhor.

 

Rev. Osni Ferreira