Novidades

Seminário de Finanças “Prosperando em tempos de Crise”

Publicado em: maio de 2021 | Categorias: Novidades

 

 

O Pr. Walter de Oliveira abriu a primeira noite do Seminário de Finanças ministrando, com base no texto de 2 Coríntios 5:20a, que diz: “Portanto, somos embaixadores de Cristo, como se Deus vos encorajasse por nosso intermédio.”. Durante a explanação, o pastor fez um paralelo entre os privilégios de um embaixador terreno, aplicando-os a nós, cidadãos do céu. E, naquela noite, como em todas as outras, o povo foi levado a declarar a frase que acompanha o Pr. Walter por longa data, a saber: “Não estou em crise, estou em Cristo!”.

Em nossos dias, há dificuldade de falar em finanças na igreja, mas durante esse seminário, o Senhor renovou o entendimento de muitas pessoas nesse sentido. Os princípios estabelecidos por Deus são eternos, são determinações que não podem ser quebradas por terem consequências desastrosas, principalmente na vida de um cristão.

Na segunda palestra, o Pr. Walter abordou as mentiras que o diabo usa para prender e impedir que muitas pessoas tenham sucesso na vida financeira. Em todas as ministrações, foram feitas orações coletivas, em que o povo, arrependido de atitudes praticadas em desobediência à Palavra, foi levado a confessar os pecados e a se apropriar das bênçãos garantidas por Cristo na Cruz do calvário. Nessa segunda ministração, o momento da oração foi extremamente comovente.

A terceira ministração foi baseada em Isaías 42:22, que diz: “Mas este é um povo roubado e saqueado; todos estão enlaçados em cavernas, e escondidos nas casas dos cárceres; são postos por presa, e ninguém há que os livre; por despojo, e ninguém diz: Restitui.”. Muitas pessoas se conformam com perdas e se esquecem de que o ladrão, figura utilizada de forma metafórica para satanás, veio para roubar, para matar e para destruir. Mas Jesus veio para que tivéssemos vida e vida em abundância.

Já nas três últimas ministrações, o pastor falou ao povo que estava dando duas alças e a chave para a provisão de Deus. Isso levou todos a imaginar um baú trancado, e dentro dele, um grande tesouro, que são as bênçãos de Deus para a vida financeira. A primeira alça desse baú são os dízimos, os quais devem ser feitos com as primícias da renda de cada um. Muitos cristãos, primeiro, se preocupam em pagar suas contas, mas se esquecem de priorizar os dízimos ao Senhor. Walter de Oliveira fez um alerta dizendo que toda vez que se dá o resto para Deus, colocando o Senhor em segundo plano, você também será colocado em segundo plano. Ninguém pode desonrar o Senhor. Não podemos quebrar o princípio da honra.

Mas a segunda alça desse baú imaginário são as ofertas, há muitas pessoas que dizem: “Eu não sou dizimista, sou ofertante.”. Foi possível compreender que só pode ser ofertante aqueles que já são dizimistas, pois dízimo é a contribuição mínima exigida pelo Senhor. E em Malaquias 3:8, não diz que roubamos o Senhor apenas nos dízimos, mas nos “dízimos e nas ofertas”, ou seja, dízimos acrescidos de ofertas. Se a palavra dízimo significa a décima parte da renda, oferta é aquilo que se entrega além da décima parte.

Por fim, a chave para abrir o baú das bênçãos financeiras é transbordar. Em Lucas 6:38, lemos: “Dai, e dar-se-vos-á; boa medida, recalcada, sacudida, transbordante, generosamente vos darão; porque com a medida com que tiverdes medido vos medirão também.”. Deus sente alegria em nos abençoar quando vivemos em obediência a Ele, entregando dízimos e ofertas, mas Ele tem uma motivação para fazer isso, na medida em que recebemos mais de Deus e começamos a transbordar sobre o reino de Deus, que é a igreja.

Muitos não têm recebido de Deus porque são egoístas, o seu Deus é o dinheiro e a motivação é egoísta.Quando aprendemos a transbordar, entendemos a motivação de Deus em abençoar as nossas finanças. A Glória é sempre para Ele!

Sem sombra de dúvida, esse seminário foi um dos momentos mais magníficos para a vida da Igreja Central, pois de uma forma bíblica, descontraída e empolgante, fomos impactados pelo poder de Deus. Resta-nos, agora, não sermos apenas ouvintes, mas praticantes, pois, Desde os tempos de Moisés havia a compreensão de que “é Ele que te dá força para adquirires riquezas…” (Deuteronômio 8:18)